Páginas

quinta-feira, 25 de dezembro de 2014

Arabian Nights [Game]


Arabian Nights é um daqueles joguinhos no estilo Visual Novel em que você tem escolhas e elas irão influenciar o caminho que a história poderá tomar. Já falei muito sobre esse estilo aqui e inclusive sobre alguns jogos que mais amo, como Always Remember Me e Nicole. Hoje venho para falar sobre a minha primeira experiência num joguinho desse tipo para o celular, e que me levou a um vício gigantesco!
Arabian Nights é um jogo exclusivamente para celulares e, como já era de se esperar, apenas disponível no idioma inglês. Então, volto a repetir, pra quem não entende do idioma é melhor nem passar perto: o jogo é inteiramente de diálogos e precisa ser corretamente compreendido, e nem mesmo um tradutor vai proporcionar isso com eficácia. Vale lembrar que é grátis e que qualquer um que tenha um aparelho compatível e internet no celular pode baixá-lo e jogar!

Ali baba tomando sopinha :3

De qualquer forma, as escolhas estão focados nos diálogos e nas falas de sua personagem. As escolhas nesse caso não definem especificamente o rumo da história, mas são responsáveis pelos pontos a mais com o seu par romântico. A melhor resposta dá cinco pontos, a média três e a pior, um. Esses pontos vão sendo acumulados e em momentos cruciais do jogo, como eventos dramáticos e românticos ou naqueles que você ganha uma imagem, você precisará de uma quantidade específica de pontos que são justamente esses acumulados. Os pontos também definem se você vai conseguir um final bom ou um mais ou menos, e em alguns casos se poderá ver um cenário normal ou um especial. 
Caso você só tenha dado respostas terríveis e não tenha pontos o suficiente para prosseguir, você pode consegui-los das mais diversas maneiras. Você pode comprar itens como afeição e roupas que aumentem seus pontos, porém eles só são conseguidos com dinheiro de verdade. Também pode conseguir através de uma espécie de "roleta" e você ganha um item que acrescentará pontos de afeição a determinado personagem, e se tiver sorte será o seu escolhido. Os pontos para essa roleta são conseguidos se você entrar por sete dias seguidos, fazendo amigos e jogando mini-jogos. 

Sinbad e seu olhar de cãozinho abandonado. 

No Arabian Nights existem três personagens a nossa escolha: Assad, o príncipe da cor do pecado que tem uma fama bastante sombria; Ali Baba, o ladrão e bad boy, ou Sinbad, o comerciante que só pensa em dinheiro. Dá pra perceber alguma influência nos personagens de histórias que conhecemos muito bem, certo? E ela é completamente proposital. A história é sobre uma enfermeira (nossa personagem) muito gentil que um dia recebe de um senhor paciente uma lâmpada muito antiga. Ela leva o presente para casa e acaba sendo misteriosamente sugada para dentro da lâmpada!

Assad sendo absurdamente fofo! 

A partir daí a personagem é enviada a um mundo totalmente diferente do seu e coisas estranhas começam a acontecer. Ela encontra Hardy, uma mulher belíssima que decide cuidar dela e ajudá-la em sua estadia naquele local desconhecido. Nossa personagem na verdade torna-se a partir daquele momento o espírito da lâmpada e está ali porque alguém, também possuidor da lâmpada, esfregou-a e fez um desejo. Esse desejo é responsabilidade da personagem conceder e para isso ela contará com a ajuda do Gênio.

Gracinha!

A história muda completamente dependendo do par românico que escolher. Mas algumas coisas permanecem as mesmas, como o fato do Gênio só aparecer quando lhe é conveniente e não ajudar em quase nada. Um preguiçoso! Hardy, outra personagem marcante, é provavelmente a pessoa mais gentil e importante para a personagem, e apesar de parecer ser apenas uma moça muito bonita, ela é muito mais: é na verdade um homem!
Kais é outro personagem com destaque, loirinho e com cara de bebê, quieto e tímido, uma verdadeira fofura! Ele é flautista e provavelmente no futuro ele estará disponível como par romântico também na versão em inglês. 

Uma das imagens que mais amo!

Mas voltando aos principais: comecei com Assad. Assad é um gato como todos os outros personagens, mas me cativou principalmente pela sua beleza exótica. Começamos com ele com o pé esquerdo: a princípio ele parece só um menino mimado, arrogante e agressivo e com uma péssima fama. Depois vai deixando seu lado gentil transparecer, e vem com um bônus: seu adorável irmãozinho (que de inho não tem nada) Ameen, que é um amor. Depois parti para Ali Baba que tem uma história bastante interligada com a de Assad, embora as três em geral estejam relacionadas. Ali Baba é um tanto quanto previsível: tem um jeito durão, fama de bad boy, mas sua bondade transborda. É surpreendente um cara daquele tamanho com uma timidez tão grande, e também adorável. Ali Baba deixa claro que as aparências a seu respeito enganam desde o primeiro momento e dá pra imaginar que de vilão ele não tem nada. Por fim, Sinbad: um cara muito bonito, gentil, mas que está bem longe de ser perfeito. Sinbad aparentemente é só um comerciante muito viajado, cheio de histórias para contar, que só se preocupa com dinheiro e é um mercenário de mão cheia. De qualquer forma, a história de Sinbad é a mais complexa de todas e certamente a que mais me surpreendeu. Fiquei bastante contente de tê-la deixado por último e fechado com chave de ouro! 

Beija, beija, beija!

Depois de finalizadas todas as histórias é possível ver como elas se conectam e fazem muito mais sentido. A história é claramente fantasiosa, mas envolve mistério, romance e algumas partes bastante divertidas. É um jogo muito leve no quesito romance, porque o máximo que acontece são uns beijinhos aqui e ali. As imagens também não são lá as mais incríveis que já vi, mas a história faz valer a pena. Um amor!

domingo, 14 de dezembro de 2014

City Girl Life [Game]


City Girl Life é um joguinho da Disney no Facebook que aparentemente não tem nada de especial, mas que depois de poucos dias jogando e explorando é impossível não se viciar. É muito parecido com The Sims, principalmente o 1 (com aquela imagem simples e meio borradinha). Você também tem que cuidar das necessidades de um personagem, trabalhar, ter relações. Porém o jogo é voltado para o público feminino: a personagem é uma garota e os seus objetivos são conseguir uma vida cheia de sucesso em New York
O jogo tem diversos idiomas, mas infelizmente o português não está entre eles. Então, para as falantes de português o espanhol ou o inglês são uma boa pedida. O jogo é simples e fácil de se acostumar. Você é uma garota que acaba de se mudar para a cidade grande em busca dos seus sonhos. Tem muitas opções: pode personalizar a personagem como quiser (cabelo, pele, roupas, etc), escolhe a carreira que mais a agrada (no momento estou na carreira de autora) e personaliza sua casa também. 
As suas amigas do Facebook que também forem jogadoras de City Girl podem te ajudar nas missões mandando solicitações e presentes. Você pode visitá-las, conversar com elas e uma vez que forem amigas de alma você poderá fazer o que quiser na casa delas (até mesmo dormir em suas camas!). Você também tem as amigas que são personagens do jogo, como a Jenna, que estudou com você e está sempre te orientando nas missões. Cada missão tem um objetivo e um prêmio e você segue a partir delas o rumo da história. As missões podem ser dadas pela Jenna, pela Olivia ou qualquer outro personagem do jogo. Também existem as missões específicas da sua carreira e que te ajudam a receber promoções. Por fim existem as missões especiais, que tem tempo máximo para serem concluídas, e que são temáticas (como por exemplo as do Natal) e te rendem prêmios melhores (como roupas lindas e até mesmo um cachorrinho).


Você passa de nível de acordo com os pontos de experiência que ganha. A cada nível adquirido você ganha uma barra de ouro. O dinheiro no jogo é dividido em: os diamantes, as moedas e as barras de ouro. Todas elas compram coisas diferentes, mas algumas são mais difíceis de adquirir do que outras. As moedas são mais fáceis, já que você ganha nas missões, no trabalho e até mesmo em atividades comuns. Os diamantes você ganha votando no concurso que tem todos os dias, ganhando prêmios na roleta, etc. Já o o ouro é muito mais complicado de adquirir e é justamente o que compra os itens mais bonitos do jogo. Ou você ganha suando a camisa, ou compra com dinheiro real. 
O concurso diário é onde as moças competem para ver quem está com o melhor look. Se participar todos os dias e receber muitos votos você ganha diamantes (mais de acordo com a sua posição no ranking) e votando nas outras meninas também. Os apartamentos são desbloqueados de acordo com o número de promoções que você possui, por isso é completamente natural chegar ao topo de uma careira e ingressar em outra para desbloquear as novas casas. É possível ter pets, gatinhos ou cachorrinhos, mesmo que eles custem uma fortuna!
O jogo é divertido e uma ótima distração para quem está de férias e cheio de tédio. Para finalizar, a imagem do meu cachorrinho que ganhei numa das missões, meu xodó, Pierre:


sábado, 6 de dezembro de 2014

Candy Color Magic Pink [Hair]


Eu estava usando até então tintas da marca Exotic Colors, que se tornou uma das minhas marcas preferidas pela quantidade de opções de cores, a durabilidade e o preço acessível. A primeira vez que pintei o meu cabelo com o Rosa Sakura ele ficou roxo! Depois usei a tinta novamente e ficou rosa, embora um rosa bem particular e puxado pro violeta mesmo. 

Obs: Infelizmente, a marca Exotic não está mais disponível no mercado, mas existem outras marcas brasileiras e com preços acessíveis para quem ama o cabelo colorido.

Depois dessa experiência, deixei meu cabelo descorar bastante e fiz mais uma loucura: descolori o cabelo inteiro novamente e fui atrás do meu desejo inicial que era ficar com o tom cor-de-rosa. Para isso escolhi tentar outra marca nacional, a Candy Color. Não conhecia ninguém que a tivesse usado, mas achei críticas muito positivas na internet e decidi apostar. Escolhi o Magic Pink, que é um rosa mais forte e bem parecido com o tom que estava procurando. Apostei e fui muito feliz. A cor ficou exatamente como eu queria e depois de algumas boas lavadas, a tinta descorou pouquíssimo e tem boa duração. Também adorei a tabela de cores, embora as opções sejam menos que as da Exotic
De qualquer forma está super aprovada e espero que no futuro possa experimentar as outras colorações também. Aqui os resultados: 



Obs.2: meu cabelo está ótimo, apesar da descoloração e das frequentes tinturas. Além de ser muito resistente (sorte minha!), um cabelo constantemente hidratado e bem cuidado sofre, mas resiste a todas essas mudanças. Além disso, não é a tinta colorida que estraga o cabelo, mas a própria descoloração. Se tiver cuidado, o cabelo não cai e pode ser pintado à vontade. Apenas para desmistificar essas coisas que as mães e os cabeleireiros adoram falar. Pode mandar ver!

quinta-feira, 6 de novembro de 2014

One Night Surprise [Movie]


One Nigth Surprise é uma comédia romântica chinesa de 2013 que assisti recentemente e não deixou nada a desejar. Conta a história de Michelle, uma mulher independente e decidida, que no seu aniversário acaba bebendo além da conta e se metendo num grande problema. Muita gente já se identificou de cara, certo?


Michelle é uma mulher que vive sozinha (com a exceção de sua gata) e não tem uma vida social fora da empresa em que trabalha. Ela é tão focada no trabalho que não se importa de estar sozinha, mesmo sofrendo a pressão de ser solteira aos 32 anos, quando a maior parte das mulheres já se casou ou está em algum tipo de relacionamento. Ela é bem sucedida, tem o emprego que sempre almejou e é bastante perfeccionista, sendo uma chefe que causa terror aos subordinados por estar sempre cobrando tanto deles. Quando decide fazer sua festa de aniversário de 32 anos, convida todos os conhecidos e principalmente colegas da empresa, bebe demais e no dia seguinte acorda num quarto de hotel descabelada, na cama e sem se lembrar de nada. Pouco tempo depois descobre que está grávida, e então começa uma busca incansável pelo suposto pai de seu filho. 


É bastante divertido ver as trapalhadas de Michelle, mesmo que se encontre numa situação tão triste e desesperadora. O bebê surge num momento inadequado, quando ela está tão bem no emprego e não tem tempo e nem cabeça para ser mãe. Além disso, sequer sabe quem é o pai e não se lembra daquela noite, o que torna tudo ainda mais complicado. Michelle é madura e experiente, mas tem um quê de garota, sendo às vezes muito ingênua e inocente, além de muito atrapalhada. 

Ainda chocada com o quanto essa mulher é linda...

A descoberta da gravidez muda drasticamente sua vida e serve também para mostrá-la todas as coisas que estavam fora de lugar. Apesar de parecer perfeita e ter tudo sob controle, Michelle é solitária, obcecada demais com o trabalho, tem uma paixão platônica pelo homem errado e ainda trabalha num escritório quando seu verdadeiro sonho era trabalhar com os artesanatos que faz, já que é cheia de talento e criatividade. Apesar de ser doce e gentil na maior parte do tempo, ela também é muito teimosa, e às vezes sua teimosia e seu orgulho são tamanhos que ela acaba deixando todos os seus pontos positivos de lado.

Não dá para decidir o que é mais adorável nessa foto. 

Os possíveis pais da criança são hilários! Há Jeb, um adolescente filho de sua melhor amiga e patinador artístico; Tiger Lu, um sem noção riquíssimo e apaixonado por ela; Bill, seu chefe bonitão e sonho de todas as mulheres da empresa e Tony, seu subordinado e grande admirador.

Uma das minhas cenas preferidas :3

Por fim, o romance é muito bem desenvolvido e a comédia sutil. Os assuntos mais sérios surgem nos momentos adequados, assim como os de descontração, e cada personagem é marcante e bem trabalhado. Novamente é abordado um assunto sério e naturalmente dramático, mas com muito bom humor e aquele romance simples, mas belo. Além disso, os atores são muito bem escolhidos.


Michelle é uma protagonista forte, com personalidade e, mesmo que cheia de defeitos, uma mulher incrível. É confiante, mas ao mesmo tempo insegura; é madura, mas inocente; é sonhadora, determinada, teimosa e, o mais legal, preza a si mesma acima de tudo e decide por si mesma o que é necessário para a própria felicidade. Foge aos clichês e representa a mulher real, com que qualquer uma poderia se identificar em pelo menos um aspecto. Um dos melhores que assisti durante esse ano!

segunda-feira, 6 de outubro de 2014

Keraton Hard Colors / Exotic Colors [Hair]

Desde a minha última postagem sobre cabelos aqui eu já voltei a pintá-lo pelo menos três vezes. Então venho relatar minha experiência com tintas, marcas e colorações específicas, e o sofrimento eterno de nós que amamos os cabelos coloridos. Sofrimento para que a tinta pegue e fique meramente parecido com o que temos na cabeça (principalmente pra quem tem cabelos escuros como eu) e sofrimento pelos comentários muito idiotas que ouvimos todos os dias por causa desses cabelos (o que fica para uma próxima postagem).
Meu cabelo, depois de pintado de rosa, estava descorando e puxando bastante para o vermelho. Chegou a um ponto que não havia mais nenhum vestígio do rosa e, como eu já pintei o cabelo de vermelho milhões de vezes, eu já não estava mais suportando a cor. Radicalizei: cobri o cabelo com tinta castanho escuro (que fica preto mesmo) e puxei uma única mecha colorida. Obviamente tive que descolorir (mesmo que ainda estivesse vermelha por causa da tintura anterior, mas o tom que eu queria só pegaria num cabelo muito claro). Então comprei novamente uma tinta da Keraton Hard Colors porque havia gostado da marca, e escolhi o tom Indie Blue. Sem rodeios: foi um desastre. O cabelo ficou uma mistura de cores que envolvia tudo, menos azul. Ficou basicamente cinza, quase branco, mas acabou me agradando muito (já que vinha querendo esse tom há um tempo, mas não achava a tinta certa). Não sei bem o que aconteceu, mas já superei.

Imagem da internet.

Resultado.

Então depois de algumas lavadas o acinzentado sumiu e deu lugar àquele loiro de cabelo descolorido. Ainda fissionada com o azul, ganhei de uma amiga uma tinta da Exotic Colors Azul Puro Escuro e decidi tentar. Ela também usava e dava muito certo. Além disso, eu já conhecia a Exotic e já havia visto muitos comentários positivos sobre a marca, que é brasileira. E o melhor: nada cara e com um leque muito amplo de opções (um verdadeiro sonho). E deu muito certo! A cor pegou rápido, ficou um azul escuro muito bonito e depois de descorando, adquiriu um tom de verde água que me encantou. A tinta tem ótima duração, já que fiquei um bom tempo sem retocar a mecha. 

 Imagem da internet.


Resultado.

E agora já numa onda totalmente Exotic, quis mudar radicalmente de novo. Comprei a Exotic Rosa Sakura. Pintei de loiro toda a parte de trás do meu cabelo, deixei a parte de cima e da frente basicamente preta (que era a cor que 90% do meu cabelo estava) e puxei algumas mechas bem na frente com o Rosa Sakura, que ficou completamente roxo! Novamente a tonalidade me surpreendeu, mas de um jeito positivo. Eu já sabia que esse era um tom de rosa mais puxado pro violeta, mas não pensei que fosse tanto. Acho que isso varia de cabelo para cabelo e se deve principalmente ao fato de que o meu já foi pintado tantas vezes, que ele já não fica descolorido até o loiro palha e nem uniforme, então sempre fica uma mistura louca de cores! E uma dica importante: se você planeja fazer algo diferente com seu cabelo no futuro, não o pinte de vermelho no presente! Quando descolori, foi uma verdadeira luta para amenizar o vermelho que voltou muito forte, mesmo que eu tenha pintado há algum tempo. Vermelho é chato de cobrir (mesmo passando preto, algumas rajadas de vermelho ficam) e principalmente chato de fazer ir embora. No fim deu tudo certo, e agora que o roxo já começa a desbotar, a maior parte está ficando o rosa esperado mesmo. Melhor assim. 

 Imagem da internet.



Resultado.

Já pensando qual será minha próxima cor...

Atualização: a marca Exotic não existe mais! Uma pena :(

segunda-feira, 22 de setembro de 2014

Ai wo Utau Yori Ore ni Oborero [Drama]


É um drama japonês inspirado no mangá de mesmo nome (e também chamado de Ai Ore!) e tem como título em inglês "Be crazy about me". Eu confesso ter resistido bastante ao mangá, já que seus traços não me agradaram nem um pouco, mas como o drama é tão curtinho e de certa forma "raso", senti a necessidade de conhecer um pouco mais a história e por fim ignorei meus caprichos e decidi ler. O que foi uma decisão bastante sábia, já que existem tantas diferenças. 

Akira e Mizuki em carne e osso.

Sobre o drama, a história é basicamente a mesma do mangá, mas condensada e modificada em muitos aspectos simplesmente porque o meio de veiculação pede. Mizuki não parece tanto assim um garoto e é linda e Akira é extremamente feminino, mas nada que saia do padrão dos japoneses (risos).

Blaue Rouse e suas lindas (ou lindos?) integrantes.

As meninas da banda são maravilhosas e eu me vi apaixonada por praticamente todas (mesmo que a maioria tenha sido tão secundária). As roupas, o estilo mais dark e lolita, tudo me encantou e me transportou a um universo que me interessa bastante. Imagine uma escola daquelas, cheia de meninas lindas e cheias de estilo; onde o que aqui é considerado bizarro, lá seria considerado não só normal, mas o mais certo... Confesso que a única parte que me desagradaria seria a falta de rapazes. Não posso deixar de dizer que as meninas da escola, apesar de lindas e charmosas, não passam de crianças. O fanatismo me irrita (elas perseguem a banda da escola e seus integrantes a níveis extremos) e passa uma impressão de decadência. Parece que nenhuma delas tem vida própria, enfim. De qualquer forma as meninas da Blaue Rose deviam amar toda a atenção que mereciam, pois quem não gostaria de ser o centro das atenções do colégio de forma positiva? Numa das primeiras cenas a banda é mostrada se apresentando num show e eu gostei bastante. À primeira vista confundi todas elas com rapazes, o que mostra que a intenção foi realmente alcançada.

Como não se encantar com essa criatura?

Sobre a escola de rapazes que Akira estuda, eles são tanto quanto ou mais infantis e lunáticos que as meninas. Primeiro por insistir em ver Akira como uma garota simplesmente porque ele se parece uma. A venda de fotos, acessórios e tudo relacionado a ele me parece doentio, apesar de muito cômico. Akira é um menino com muita paciência, pois eu em seu lugar não suportaria tanta bajulação de macho e as constantes investidas. De qualquer forma, apesar de resistir e tentar demonstrar o contrário, ele parece apreciar se vestir de garota e coisas do tipo. Normal. A parte mais engraçada (e a minha preferida) é a do presidente e seu amigo que vivem inventando absurdos por Akira e nos proporcionam algumas boas gargalhadas. Sobre o romance, é muito pouco desenvolvido provavelmente por causa do tempo. Não dá nem pra torcer muito pra que fiquem juntos. Percebe-se um certo climão entre Kaoru e Mizuki e eu gostaria que isso tivesse sido explorado mais. Tenho certeza que todos que assistiram, assim como eu, torceram secretamente para as duas formarem um casal.

Mangá. Impossível decidir quem é quem, certo?

Quanto ao mangá: apesar dos traços, a história me agrada. Obviamente todos os pontos citados por mim acima são muito melhor abordados nele, o que torna tudo mais interessante e cativante. Os personagens também são muito diferentes e certamente a caracterização física é muito importante (e quase impossível de ser conseguida num universo fora o do mangá). Por exemplo, é impossível ver Mizuki como uma garota; até com roupas femininas, ela é absurdamente masculina. Akira também se parece muito com o sexo oposto, mas em alguns momentos podemos vê-lo com traços um pouco mais masculinos, o que faz com que a situação de Mizuki esteja realmente em outro nível. Logo no início já notamos uma diferença marcante no enredo: Akira e sua participação na Blaue Rose e, no decorrer da leitura, diversas outras diferenças surgem. Vale dizer também que o mangá é bastante ousado e tem muitas cenas mais picantes, diferentemente do drama, que mal tem cenas de romance.  

 Lindinhos.

De qualquer forma é importante falar que esse é um romance como qualquer outro, apesar do diferencial da protagonista se parecer com um menino e o protagonista se parecer com uma menina. Eu, apaixonada por escrever, fico particularmente decepcionada que a história não seja vista de uma ótica mais social e aprofundada, mas reconheço que doramas e mangás não são os veículos apropriados para isso, principalmente por não ser compatível ao público a que se dirige. 
Enfim, recomendo muito. Divertido, fofo e interessante!

Miau!

sábado, 30 de agosto de 2014

A litte Thing Called Love [Drama]


É um drama tailandês bem curtinho e divertido. Para quem está acostumado a assistir os japoneses e coreanos, ou até mesmo aqueles que só assistem séries, filmes e novelas ocidentais, a princípio é um tanto quanto estranho. A diferença de idioma é gritante (e à primeira vista até estranho) e até mesmo os personagens são bem diferentes. Mas é uma experiência maravilhosa. 

Hilárias!

Essa é a história de Nam, uma menina desajeitada, nada popular e vista por todos como "feia". Suas únicas amigas também eram do grupo dos "rejeitados" e, como garotas românticas, viviam sonhando com seus príncipes encantados. Nam não era boa nos estudos, exceto em inglês, e não cuidava muito da aparência: usava óculos ultrapassados, tinha o cabelo desarrumado e mal cuidado, não usava maquiagem e não costumava se preocupar com o que os outros achavam de si. Mas era completamente apaixonada pelo galã da escola, jogador de futebol, lindo, apaixonado por fotografia e muito gentil. E esse mesmo rapaz é o desencadeador de uma série de mudanças drásticas na vida de Nam. 

Fofos, fofos, fofos!

Nam começa a mudar não só por amor, mas também pelo pai. Ele vive nos Estados Unidos e quase não as vê (ela, sua mãe e sua irmã mais nova), então um dia manda uma carta dizendo que se ela ou a irmã fossem a melhor da sala nas notas, ele enviaria uma passagem aos EUA. Então Nam começa a se dedicar mais aos estudos e vê o quanto pode ir longe se realmente desejar. Ela também passa por um bando de mudanças físicas: clareia a pele com cremes, para de usar o óculos antiquado, aumenta o cabelo (eu realmente não entendi como o cabelo dela cresceu da noite pro dia; não sei se foi o passar dos anos ou aplique), passa a se vestir melhor e se torna uma linda garota. Além disso, ela sempre foi muito gentil e esforçada e aceita uma série de desafios que a levam diretamente ao sucesso. Mas mesmo assim seu amor parece não notá-la...


Há uma série de fatores a serem destacados. O primeiro deles é a relação de Nam com suas amigas, que é uma graça. Elas são inseparáveis desde pequenas, consideradas rejeitadas, mas enfrentam tudo juntas. São bastante ingênuas, tanto que acreditam naqueles livros de "como arranjar um namorado", e é com um desses livros que elas tentam de todas as maneiras fazer com que Nam conquiste o cara dos sonhos. Já dá pra imaginar que tudo resultou numa grande bagunça, certo? Enfim, eventualmente a amizade delas se desgasta. É impossível que uma das amigas fique popular e não acabe deixando as outras de lado em algum momento, mas no final das contas a gente percebe quem são nossos verdadeiros amigos e que algumas coisas nunca mudam. 

Esse olhar...

Há também a professora de inglês que é hilária, está sempre dando em cima do professor de educação física e é mais desajeitada que tudo. Ela evidentemente pega no pé da Nam, e também é conhecida por liderar o grupo dos rejeitados (ela é que cuida do clube de teatro, onde só os esquisitões entram). Tem uma rixa com a professora bonitona responsável pelo grupo de dança, que é onde todas as meninas querem entrar, mas só as mais bonitas podem. Sinceramente, isso me deixa chocada. Se eu estivesse nessa escola entraria no clube de teatro sem pensar duas vezes! Enfim, é por causa desse clube que Nam interpreta Branca de Neve numa peça e começa sua transformação. Apesar de parecer rabugenta e inconveniente, a professora se preocupa com seus alunos e toma frente desses coitados que são tão mal vistos na escola. O que é uma graça. Outros dois personagens que merecem destaque são a garota insuportável que compete com Nam pelo bonitão e o melhor amigo do protagonista. A garota, rival de Nam, é falsa e usa dos truques mais ridículos pra conseguir fisgar o cara (como fingir que torceu o pé para ele ajudá-la). E também é uma daquelas meninas que pensa que só porque é bonita é superior a todo mundo e tem todos aos seus pés. Nojenta! E por fim o melhor amigo do protagonista, que surge do nada e já desempenha um papel tão importante, é gentil, engraçado e consideravelmente popular, mas um tanto quanto iludido. E, claro, não entende nada de relacionamentos. Quem marca um encontro com uma garota, chega e já manda um "você quer namorar comigo?". Bizarro. 

Beija logo, príncipe!

Também preciso falar um pouco sobre o amado e príncipe galã. Ele, apesar de ser tão popular, é muito gentil e está sempre se opondo a injustiças. É até um pouquinho sem noção (sai oferecendo manga pros outros na rua), inocente e com um jeitinho de menino, mas que faz dele ainda mais charmoso. Tem um complexo porque seu pai, jogador de futebol, perdeu um pênalti num jogo importantíssimo e ele é sempre lembrado disso. Joga mais por diversão e sua paixão mesmo é a fotografia. De início ele me parecia muito indiferente, mas aos poucos fui notando que ele se importava muito mais do que parecia. E que, surpreendentemente, era um cara tímido e inseguro assim como Nam

Parece que Nam não foi a única a se apaixonar... 

É importante ficar atento ao tempo no drama. Os anos passam muito rapidamente e as mudanças também acontecem nessa rapidez, e é fácil ficar para trás. Além disso, no inicinho do drama a cena é do futuro e logo em seguida a história começa a ser contada de fato, em uma ordem cronológica. 
A trilha sonora é uma gracinha, a história principal também e o final de arrepiar. É uma ideia simples, já usada milhares de vezes, mas é um clichê gostoso. O que diferencia é a maneira com que é executado, de forma tão graciosa e sem complicações. Pra rir e se apaixonar também. 


quinta-feira, 21 de agosto de 2014

You're my pet [Movie]



You're my pet é um filme coreano muito divertido e agradável. Escolhi assisti-lo por dois motivos exclusivamente estéticos: um deles era que o protagonista era Jang Geun Suk (o mesmo ator principal de Marry me Mary, já comentado aqui por mim antes, e outros dos quais ainda não comentei) e que é, provavelmente, um dos meus maiores crushs (junto com Lee Min-hoe também porque gostei da foto no cartaz. Li a sinopse, tive interesse e fui em frente, principalmente por ser tão curtinho.

 Soltar a franga quando ninguém está vendo... Quem nunca?

A história principal é de uma mulher bonita, madura e bem resolvida em todos os sentidos possíveis. Ela tem um cargo prestigiado no trabalho, é cheia de confiança e força e totalmente o oposto das garotinhas imaturas que costumamos ver como protagonistas. A protagonista, como uma jovem qualquer, também tem seus conflitos e futilidades, mas uma mentalidade muito madura em certa medida. A verdade é que com o trabalho, a vida praticamente sozinha e outra série de fatores, ela se torna uma personagem forte e cheia de confiança que aos poucos faz com que lhe demos nossa confiança também. 

Uma das cenas hilárias do filme. Mas gente...

Voltando ao enredo, tudo parece perfeito em sua vida, exceto a parte amorosa. Ela é uma solteirona assim como a maior parte de suas amigas, e como uma mulher já adulta, obviamente sofre pressão para encontrar um companheiro. Sua falta de fé e interesse nos relacionamentos é porque seus pais vivem brigando e falando em divórcio, e porque ela na maior parte do tempo está concentrada demais no trabalho e em si mesma para dar abertura a uma outra pessoa para que entre em sua vida. Mas solitária, é aí que ela começa a se perguntar se está na hora de encontrar um animal de estimação, já que são companheiros e não trazem tantos problemas quanto um parceiro amoroso. 

Nhaw... Parece um gatinho :3

Ela acaba "adotando" um dançarino sem eira nem beira que quer vida fácil. Desafiado e tentado a viver numa casa grande, bonita e confortável em troca de praticamente nada, ele aceita ser o novo animalzinho de estimação dela. Ela então passa a chamá-lo de Momo (o nome do seu antigo cachorrinho) e tratá-lo como animal, lavando seu cabelo, dando-lhe comida e estabelecendo uma série de regras de como uma relação entre animal e dono devem ser. Momo aceita e se diverte; apesar da situação lhe ser constantemente desfavorável, ele sempre encontra uma maneira de virá-la a seu favor. Mas era óbvio que isso não poderia dar certo.

Olha a selfie!

Ela acaba encontrando um possível príncipe encantado (um homem bonito, rico e simpático), que era seu grande amor na juventude e que parece estar muito interessado nela. Além disso, não pode deixar que as pessoas descubram que Momo não é um cachorro, mas uma pessoa. Afinal, quem não estranharia uma relação tão bizarra e não veria com outros olhos um homem e uma mulher vivendo juntos sobre o mesmo teto? Momo, apesar de não parecer ter onde cair morto, também tem uma vida: amigos, a dança que é sua grande paixão, e um futuro bastante promissor. Aos poucos os dois vão se tornando cada vez mais próximos e hilários: ela não consegue parar de se preocupar com ele e ele não consegue parar de importuná-la. A verdade é que às vezes a relação entre os dois mais parece a de uma babá e uma criança. Mas ele incontestavelmente se comporta e lembra um cãozinho amoroso e fofo, principalmente quando se deita em seu colo querendo atenção. 

 Na esperança de encontrar um desses na porta de casa. Adotaria sem pensar duas vezes!

Quem não gostaria de ter um bichinho de estimação assim? A verdade é que ele certamente não era só um bichinho de estimação, muito menos um animal. Era um humano com sentimentos e necessidades, e eventualmente se envolve mais do que deveria. Ela demora muito tempo para perceber isso, mas parece fazê-lo na hora certa.

 Esses dois... Já amo!

É um romance agradável, sem muito drama e complicações. As coisas acontecem de uma maneira muito rápida também, devido ao curto período de tempo. O ponto forte fica com as cenas cômicas e ao mesmo tempo fofas. A cena do beijo não deixa a desejar (finalmente um beijo de verdade!) e a minha preferida é a que os dois dançam juntos próximos a uma fonte. Muito gostoso de assistir!